Não há novos autores portugueses?

Foi a 25 de outubro que caiu o Carmo e a Trindade. A notícia, que quero acreditar ter um cunho de provocar a reflexão do mercado editorial, pergunta-se onde estão os novos ficcionistas portugueses. Num texto longo, com uma extensão cheia de falta de noção e de depoimentos, a minha raiva foi crescendo. Andei tão … Continue a ler Não há novos autores portugueses?