A Vida do Espera

Hoje trago-vos um tema diferente. Um pelo que, talvez, esperavam. Talvez quase batido na blogosfera, mas impossível para mim de ser ignorado. Por isso, vou começar mesmo pelo início…

Esperamos nove meses para nascer, aconchegados no ventre de nossas mães, para depois esperarmos para aprender a rastejar, gatinhar, falar e fazer os primeiros disparates. Esperamos igualmente pelos primeiros presentes, pela primeira desilusão, para depois esperarmos para ultrapassar a nossa vergonha. A espera para entrar na Creche não costuma ser muita, já que a vontade não depende de nós. Mas lá vamos, relutantes. À espera de encontrarmos medos que julgavamos não acontecer, muito pela falta de noção de que os nossos pais se nos deixam lá, irão voltar. A falta de segurança.

Continuar a ler “A Vida do Espera”