O Caderno do Diogo: Escrever com a tristeza

Escrever a nossa história pode ser solitário. Requer muito tempo, talvez até anos. O mesmo para a pesquisa que fazemos. Neste trabalho surgem muitos sentimentos. Quer sejam de alegria, quer de frustração, a tristeza acaba por aparecer. Por tocar, de alguma forma, cada uma destas dimensões. Mas será que usamos corretamente a tristeza? Que conseguimos … Continue a ler O Caderno do Diogo: Escrever com a tristeza