Será Maléfica Mesmo a Mestre do Mal?

Sendo um amante assumido do trabalho que os argumentistas fizeram para acrescentar à vilã Maléfica uma história humana e sustentada, foi com grande entusiasmo que aguardei e vi a sequela daquele que foi um filme de origem que tanto divergiu o público. Todavia, se no primeiro filme, estreado no ano de 2014, a lenda foi reinterpretada, na sequência a mesma volta a acrescentar matéria ao clássico. Com isto, não ficamos só a conhecer o como de Maléfica ser vista por todos como vilã, como quem o fez.

Lendas e interpretações à parta, a narrativa mergulha rapidamente num mundo mágico já introduzindo no primeiro filme, para passar a desenvolvê-lo em personagens mágicas cheias de personalidade e que completam a história principal. A banda sonora, bebendo da melodia do primeiro filme, continua a definir a personalidade das personagens, introduzindo brilhantemente a princesa Aurora (Elle Fanning), príncipe Philipe (Harris Dickinson a substituir o papel originalmente desempenhado por Brenton Thwaites) e, claro está, Maléfica (Angelina Jolie). Como não poderia deixar de ser, Jolie dá-nos uma performance deliciosa, carregando toda a narrativa na procura do seu próprio eu, à medida que se vê confrontada com a ameaça da Rainha Ingrith, mãe de Philipe, interpretada pela belíssima Michelle Pfeiffer.

Continua a ler…

Comenta aqui

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.