Filmes “para” crianças que são para adultos

São diversos os filmes que fui vendo nesta minha fase de jovem-adulto que me levou a escrever esta publicação. Em especial, por parecer que muitos adultos descuram por completo a importância da animação nas suas próprias vidas e associam esses filmes à idade infantil. Como qualquer destes filmes é fonte inspiracional, não poderia deixar de trazer esta reflexão para aqui. Vão notar que a maioria faz parte da Disney, mas sintam-se livres para nos comentários me deixarem as vossas sugestões. Mal posso esperar!

Wall-E

Este filme, lançado em 2008, tinha de ser o primeiro nesta lista. Em especial pela crise ambiental em que vivemos, que transcende e impacta a social. É dos meus filmes favoritos e nunca deixei de pensar naquele mundo poluído que deu lugar a uma sociedade desenvolvida ao ponto de sair da Terra e viver para o espaço. Como passam lá as suas vidas? Sempre deitados, a mexer em tablets. Lembrem-se, estamos em 2008 (filme que provavelmente começou a ser produzido anos antes), e facilmente retrata os dias de hoje. Sem dúvida que passa uma excelente mensagem e não custava nada ser obrigatório de assistir. A própria história de amor entre os robôs é futurista, levando o espetador a momentos de reflexão profunda que uma criança dificilmente conseguirá compreender.

Rei Leão e Bambi

Vergonha para mim, que nunca vi o Bambi (1942), mas tanto este como o Rei Leão (1994) abordam temáticas muito importantes e com grande impacto emocional como o lidar com a morte de um familiar. Uma criança nem sempre se poderá aperceber do elemento espaço-temporal, e não poderia deixar de referir estes dois filmes aqui.

Divertida-Mente

É talvez dos que mais merece aqui estar. A verdade é que muito dificilmente uma criança conseguirá compreender a completa dimensão deste filme. Numa sociedade onde o tema das emoções e papeis sociais pode ser difícil de compreender, o Divertida-Mente (2015) faz um trabalho notório em mostrar como as trajetórias de vida de um indivíduo são impactantes e influenciadas por elementos quer externos, como internos. A história passa por todas as nossas emoções e rapidamente se torna fácil compreender o porquê de os nossos jovens (e adultos) se comportarem de determinada forma. É outro dos filmes que considero obrigatório.

Toy Story 3

Confesso que me fui desleixando nesta saga. Provavelmente a que acompanhei desde criança, mas o que mais amo no Toy Story 3 (2010) é como retrata a nostalgia e tristeza – saudade -, num jovem em se desapegar da sua infância. A cena final parte-me o coração e é um motor que me leva a pensar seriamente em como o desapegar dos brinquedos, da decoração no nosso quarto, ou até de uma cidade, são indicadores – por vezes cruéis -, de como estamos a crescer.

Big Hero 6

Big Hero 6 (2014) parece que estreou ontem mas aborda temas tão importantes que rapidamente se torna intemporal. O que é certo é que fala, para além da perda, de como um rapaz lida com ela e de como as redes sociais primárias e secundárias são fundamentais para este apoio. As cenas são tocantes e tornou-se completamente merecedor do meu coração.

Zootrópolis

Zootrópolis (2016) foi sem dúvida o meu filme de há dois anos e aqueles cuja música-tema para sempre me irá acompanhar. Este filme fala não só dá importância de seguirmos os nossos sonhos, como do que é sair do nosso conforto, da nossa casa, cidade, para irmos para um local onde todos nos julgam e acreditam que não somos capazes. A confiança, a perícia e persistência são mensagens deste filme que uma criança muito dificilmente não conseguirá perceber por não pensar/saber que um dia terá também de percorrer, à sua maneira, esta viagem de auto-descoberta pessoal e profissional.

O que é certo é que sempre que me sinto em baixo a Shakira ecoa-me nos ouvidos com a mensagem universal de que tentar, é tudo! Não importa falhar.

Coco

Não sei como vos falar deste filme. Vi-o três vezes, e cada uma delas assume uma importância doida. A verdade é que Coco (2017) é um filme que junta tudo o que vos falei. Não só a história tem reviravoltas ao nível de um filme “para adultos”, como sentimentos de traição, ganância e fama que podem ser complicados para uma criança de desconstruir. Ainda fala abertamente da morte com base nas tradições mexicanas. Aliado a isto, está a própria memória e de como há doenças que conseguem tirar das nossas vidas pessoas queridas. O filme é muito comovente e a história é criada pela vontade de seguir os nossos sonhos, mesmo que isso vá contra tradições enraizadas da nossa família.

A Viagem de Arlo

Por último, falo-vos deste fantástico dinossauro (2015) que após perder o seu pai, se vê responsável por aprender por si próprio e lutar contra os seus próprios medos. Fala-nos de adaptação e de como a nossa educação é capaz de nos moldar. Também fala do poder da escolha, e de como mesmo havendo liberdade, existem condicionamentos. Uma história familiar forte e já pouco usual nos cinemas, levando-me a recomendá-lo para aqueles momentos em família.


Antes de terminar tenho de deixar a nota que tenho plena consciência que um filme por ser de animação não faz dele como sendo para crianças, e bons exemplos disso são os dois filmes d´Os Incríveis e do Homem-Aranha – No Universo Aranha. Acredito que o importante é sempre a história e não devemos ser tão duros connosco próprios por renegar as experiências que possam advir do (re)visionamento dos mesmos.

Comenta aqui

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.