Fui ver o pior espetáculo do mundo!

É com “O Pior Espetáculo do Mundo” que César Mourão, Carlos M. Cunha e Gustavo Miranda  se apresentam nesta comédia. Uma que contou com três datas em Leiria e que agora vos trago aqui para o blog.

Fui vê-lo com o meu pai, após a desistência do meu irmão. Sempre conheci o trabalho do César, muito por conta do Rebenta a Bolha da Rádio Comercial (podemos ter uma nova temporada, por favor?), mas dos outros nunca tinha ouvido falar. Podem atirar-me pedras, mas é a verdade. Posto isto, lá fui eu. Não sabia de nada, só que duraria 90 minutos e não tinha intervalo. Uma coisa é certa: saí de lá com um estado de espírito completamente diferente do que com o que entrei.

A sala estava cheia, como tem sido habitual em qualquer espetáculo no mítico Teatro José Lúcio da Silva, e mal as luzes se apagaram para se dar o abrir das cortinas, o riso tomou conta da plateia. A interação que os três humoristas os têm entre si e com o público é de tal forma íntima, que a comédia que daí se gera é soberba e verdadeira. Não existe aquela piada fácil ou descolada do cenário. Aliás, é por isso mesmo que os achei tão bons. Por pegarem no público que têm diante de si, e sempre diferente, possibilitando um leque de piadas novas a cada sessão.

O espetáculo ocorre com diversas rubricas do qual é o público que as alimenta com ideias, frases, nomes ou histórias. Aliado a isto, está a banda que acompanha os humoristas e que compõe o ambiente. Claro que depois da plateia aparecem coisas irrisórias e parvas e que servem de mote de piadas.

Gostei de todas as rubricas, menos a última. Achei-a confusa já que estava a retratar a história de um casal escolhido da plateia. Retratam a história de amor com amigos à mistura. Sendo que temos três elementos do sexo masculino, compreender quem faz de quê pode estragar a experiência. Obviamente que foi fantástico porque se percebe o quanto de improviso existe. Porém, a minha parte favorita foi sem dúvida a que teve o Gustavo Miranda – da Columbia – a fazer gestos. Pois bem, este foi só o melhor momento da noite e baseado na história criada no momento. Foi tão mas tão engraçado e espontâneo que pensei que ia ficar sem maxilar de tanto rir. Afinal de contas, ele tinha de fazer em gestos aquilo que o César contava ao Carlos Cunha – a sua proeza de ter dado a volta ao mundo de costas. Podem imaginar uns gestos bem engraçados daqui… É daqueles momentos que adorava ter filmado pela singularidade do mesmo.

A noite foi excelente e não poderia ter ficado mais surpreso. Uma coisa é certa: passarei a andar mais atento a estes três. Se tiverem a oportunidade de os ir ver, por favor, não os deixem escapar. Vão esquecer todos os vossos problemas, vos garanto.

Comenta aqui

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.