No fim, os dois morreram

Fiquei a conhecer este livro mesmo na altura em que acabara de receber um KOBO. Estava a ver notícias ligadas ao cinema quando me dei conta de que a HBO, com o JJ Abrams, iria adaptar o livro They Both Died at the End. O presságio no título é notório. É impossível de ignorar. Mas nessa impossibilidade dei conta de como era possível haver sentidos ocultos nele. E com isto li-o entre Portugal e Espanha. Li-o numa semana, e preciso imenso de falar sobre ele!

Não vos vou revelar o final. Já sabem que não revelo detalhes que não estejam presentes na sinopse. Ao invés, tenho de vos falar de como adorei o conceito criado por este autor desconhecido no nosso país, e que já vai no seu terceiro livro. A ideia de haver uma empresa que consegue saber quando uma pessoa vai morrer e liga a essas pessoas a informar, é brilhante. O mesmo para a forma como foram criadas aplicações para as pessoas encontrarem os seus “Últimos Amigos”, ou descontos em atividades, arenas de experiências, e por aí em diante. Até haver páginas online que mostram como as pessoas que estão prestes a morrer vivem as suas últimas horas, como vloguers. Em suma, o autor conseguiu captar o que é a vida corrente online para a transcender num tema tão difícil de falar: a morte.

As personagens entram assim neste mundo, sendo carismáticas e com passados vincados e que influenciam por completo os seus comportamentos e atitudes perante os outros. Não obstante este facto, achei que nem sempre a escrita do Adam ajudou. Havia expressões repetidas, e mesmo que sejam adolescentes, aconteceu uma em particular transitar do nada para outra personagem sem qualquer explicação. O mesmo para algumas partes meio que confusas ou com a falta de explicação que gostaria de ter lido. Apesar disso, quando o autor aborda os temas da morte e de uma forma tão original e humana, é impossível não atribuir uma classificação máxima. Desta forma, para além das personagens principais, temos ainda outras, que completam a narrativa e demonstram como as nossas ações têm repercussões quer em nós próprios, como nos outros. E quer tenham sido no passado, têm o poder de influenciar as nossas escolhas futuras.

Claro que algumas passagens poderiam ser tiradas, já que queremos é ver a dinâmica dos dois jovens, mas são esses momentos que nos fazem acabar com a história num ápice. Mas depois também me dei a pensar: será que o final poderia ser alterado? Será que os jovens tinham realmente o poder de ter afastado o destino? E até que ponto o que julgamos seguro, e impossível de matar, é na verdade o que nos mata?

Foram diversas as citações que retirei do livro. Adorava que me dessem as respostas às perguntas que fiz, mas não. Ao invés, deixaram-me a pensar. A consumir-me lentamente na perceção que tenho da morte e do que é o aproveitar cada dia como o último. E mais: que nem sempre a nossa segurança é o que nos mantém a salvo. Penso que muito do final poderia ter sido diferente e dado ainda mais lagrimas ao leitor ao invés de deixar com um peso no peito ou sabor amargo na boca, mas nunca o vou esquecer!

Com o avançar da série, espero que o livro chegue ao nosso país. Como tal ainda não aconteceu, deixo-vos as ligações necessárias para a leitura em EBOOK ou livro, em inglês:

MINHA CLASSIFICAÇÃO: 5/5

CLASSIFICAÇÃO MÉDIA GOODREADS: 4,15/5

WOOK | Wook E-Book para ADE | Kobo | Kobo – Capa Alternativa | Amazon Kindle

Comenta aqui

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.