A minha memória favorita da infância

Quando tive a ideia para esta publicação, parte de mim ficou contente por saber que iria ficar por uns tempos como rascunho. Mas o tempo passou e dei-me conta de que agora, com o findar do ano, estava na altura de eu próprio refletir sobre a minha memória favorita e de como isso me moldou enquanto escritor. Porque sim, isso aconteceu!

Apesar desta memória me ser triste, pela saudade imensurável associada a ela, não consigo deixar de sorrir ao pensar nela. Diz respeito a uma das viagens que fiz com o meu falecido avô. A maior parte delas foram ou a descobrir os nossos castelos, ou pelo Algarve, quando ia com ele e a minha avó. Eram umas férias agitadas em divertimento, mas esta memória é diferente. Foi diferente!

Confesso que não sei o ano. Está sim marcado na fotografia que a minha avó guarda com tanto apreço na cozinha. Nela, estou eu, ela e o meu avô, prontos a embarcar num cruzeiro pelo Douro. Lembro-me como se fosse ontem de quem foi no grupo. Para além de nós os três, foi o meu tio (filho do meu avô), com a sua esposa, minha tia. A acompanhar foi também o seu casal amigo dentista.

Lembro-me como se fosse ontem do meu avô explicar-me com a sua imensa sabedoria como funcionavam as barragens, e do meu deslumbramento em ver o trabalho que aqueles homens tinham. Logo depois, era a adrenalina de ver a água levantar o barco para que continuássemos a viagem. As paisagens também foram inesquecíveis, assim como das brincadeiras que tive abordo. Também me lembro-me vagamente da visita às caves do vinho do Porto assim como da viagem de comboio, com a minha avó igualmente a meu lado e apreciar a jornada.

Nestes mais de dez anos passados, confesso que não sou muito de ir ao cemitério vê-lo. Mas não há uma única semana que passe em que não me lembre dele e de como me ouvia. Como me animava e explica tudo aquilo que, naquela idade, ousava em perguntar e saber…

Como autor baseei-me muito nesta nostalgia e saudade profunda ao criar um dos meus momentos favoritos em Esquecido. Uma vez que naquela altura, aquando do seu falecimento, não fui ao funeral, no Esquecido consegui como que compensar isso. Claro que a história, cenário, personagens e vivências são diferentes, mas consegui imaginar muito bem como teria sido comigo se o tivesse visto por uma última vez.

2 Replies to “A minha memória favorita da infância”

Comenta aqui

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.