O 1º Speed-Writing em Portugal!

Foi no passado sábado que a Cordel d´Prata realizou uma iniciativa pioneira em Portugal: o primeiro Speed Writing! Esta iniciativa consistiu em 3 rondas, cada uma com 10 participantes. Em cada uma delas, os autores tinham meia hora para escrever. Nos computadores, esperavam histórias com determinado tema já previamente introduzidos pela editora, como Mistério, Comédia e Suspense. Assim, foram 5 minutos iniciais, seguidos de 10 minutos no segundo turno, para depois termos a possibilidade de acabar a história de outro autor, nos 15 minutos restantes. Desta aventura pela escrita, cada história finalizada era o resultado do trabalho de 3 autores diferentes! … Continuar a ler O 1º Speed-Writing em Portugal!

O Date do Ano é Já Amanhã!

Boa tarde leitores 😀 É já amanhã que todos os amantes da escrita vão participar e/ou assistir a um evento único e inovador em Portugal, organizado pela editora Cordel d´Prata! Irão faltar? Para além do evento e eventuais surpresas, poderão igualmente adquirir exemplares dos livros publicados pela editora até então. Entre eles, estará claro o thriller, Esquecido! Posso contar convosco? Continuar a ler O Date do Ano é Já Amanhã!

Quanto tempo demoraste a escrever o livro?

Boa tarde, leitores 🙂 Das perguntas que mais me chega, ganha agora uma resposta: Este foi, sem dúvida, o livro que mais tempo demorei a escrever. É uma história complexa pelas suas personagens. Cada uma delas com um passado que influencia a olhos vistos as diversas linhas de narrativa que se encontram em “Esquecido”. Tudo começou em 2013, tendo começado a escrever no ano seguinte. Depois de voltas e reviravoltas, em 2017 tinha o manuscrito final pronto. Ou seja, praticamente 4 anos. Mas preparei para vocês um cronograma onde podem descobrir tudo! Vê aqui! Já disponível! Continuar a ler Quanto tempo demoraste a escrever o livro?

Onde surgiu a ideia para o “Esquecido”?

Momento de Perguntas dos Leitores A ideia surgiu numa aula de Psicologia. Com sorte de estar atento, dei-me conta de uma conversa que se ia desenrolando sobre a memória e a sua importância. De que sem memória, nada somos. Tão intrigado que fiquei, que não resisti em dar vida à frase que me tinha surgido na mente: “E sem dar por isso, fui esquecido por mim mesmo….”. O nome do livro ficou logo definido, bem como os traços gerais da personagem principal. Mas a aventura estava longe de terminar… Havia muito a fazer e que podes descobrir aqui : EXCLUSIVOS. Curiosos? Estou … Continuar a ler Onde surgiu a ideia para o “Esquecido”?